quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Como será a aposentadoria depois da Reforma da Previdência? Confira aqui


Reformado no início da década de 1980, o Chile abandonou o modelo parecido com o que o Brasil tem hoje - sob o qual os trabalhadores de carteira assinada colaboram com um fundo público que garante a aposentadoria, pensão e auxílio a seus cidadãos.
em livros teóricos de economia: cada trabalhador faz a própria poupança, que é depositada em uma conta individual, em vez de ir para um fundo coletivo. Enquanto fica guardado, o dinheiro é administrado por empresas privadas, que podem investir no mercado financeiro.

Trinta e cinco anos depois, porém, o país vive uma situação insustentável, segundo sua própria presidente, Michelle Bachelet. O problema: o baixo valor recebido pelos aposentados.

A experiência chilena evidencia os desafios previdenciários ao redor do mundo e alimenta um debate de difícil resposta: qual é o modelo mais justo de Previdência?

Como as reformas previdenciárias são polêmicas, impopulares e politicamente difíceis de fazer, não surpreende que essa mudança profunda - inédita no mundo - tenha sido feita pelo Chile em 1981, durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Hoje, todos os trabalhadores chilenos são obrigados a depositar ao menos 10% do salário por no mínimo 20 anos para se aposentar. A idade mínima para mulheres é 60 e para homens, 65. Não há contribuições dos empregadores ou do Estado.

Agora, quando o novo modelo começa a produzir os seus primeiros aposentados, o baixo valor das aposentadorias chocou: 90,9% recebem menos de 149.435 pesos (cerca de R$ 694,08). Os dados foram divulgados em 2015 pela Fundação Sol, organização independente chilena que analisa economia e trabalho, e fez os cálculos com base em informações da Superintendência de Pensões do governo.

O salário mínimo do Chile é de 264 mil pesos (cerca de R$ 1,226.20).

No ano passado, centenas de milhares de manifestantes foram às ruas da capital, Santiago, para protestar contra o sistema de previdência privado.

Como resposta, Bachelet, que já tinha alterado o sistema em 2008, propôs mudanças mais radicais, que podem fazer com que a Previdência chilena volte a ser mais parecida com o sistema antigo (o mesmo que o Brasil tem atualmente).

As cinco empresas de previdência privada chilenas juntas cuidam de um capital acumulado que corresponde a 69,6% do PIB do país, de acordo com dados de 2015 da OCDE (Organização para Desenvolvimento e Cooperação Econômica).

As maiores críticas contra o sistema chileno se devem às AFPs, que abocanham grande parte do valor das aposentadorias das pessoas. De acordo com Beltrão, o valor pago às administradoras não é muito transparente, pois é cobrado junto ao valor de seguro em caso de acidentes. Ou seja, há uma taxa administrativa caríssima que ninguém sabe exatamente quanto é, mas sabe que é alta.

OPINÃO Thiago dos Reis: A Reforma da Previdência é parte do plano estrangeiro para "escravizar" a população brasileira. Não há interesse de que o Brasil seja um país desenvolvido com forte economia interna, e sim que seja um país com mão de obra barata para produzir alimentos e bens que possam ser exportados. Sendo assim, a população trabalha, literalmente, até quase morrer, não se aposenta, morre precocemente e dá lugar à geração mais nova. Vários estudos já provaram que a Previdência é auto-sustentável se for bem administrada e que uma reforma é, sim, necessária, mas não uma reforma que impeça toda a população de se aposentar.

207 visitas - Fonte: BBC
Por Madalena França.

Sem comentários:

Irmã de Lívio Aguiar fez um depoimento verdadeiro e real sobre seu trabalho : Suzana Trata com respeito e orgulho o desempenho de seu mandato.

Reforço este depoimento com quem tem conhecimento dos fatos: Lívio é realmente um vereador muito atento à saúde e a assistência social. ...